O surfista Lucas Zuch, que chegou a ser apontado como morto no sábado após um acidente na praia da Barra da Tijuca, no Rio, ainda respira por aparelhos em um hospital em Porto Alegre. Lucas, que estava na Casa de Saúde São José, no Rio, foi transferido para a capital gaúcha na madrugada de domingo para segunda-feira.

NOTA VIA HOSPITAL MOINHOS DE VENTO

“O paciente Lucas Zuch, que sofreu um afogamento no dia 7 de março, no Rio de Janeiro, foi transferido para o Hospital Moinhos de Vento no dia 13 de março. Seu estado de saúde é grave e no momento passa por uma série de exames de avaliação neurológica.”

Confira aqui o link do boletim médico emitido pelo Hospital Moinhos de Vento.

ACIDENTE NA TERÇA-FEIRA

Lucas se acidentou na terça-feira quando surfava sozinho na praia da Barra, e foi levado para o Hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, onde ficou até sexta-feira. De lá foi transferido para a Casa de Saúde São José, na Zona Sul do Rio. O surfista teve detectado um traumatismo craniano, possivelmente causado por um impacto com a prancha ou com algum banco de areia.

No sábado, a família foi informada que Lucas tinha um quadro irreversível devido a lesões cerebrais. A morte do surfista chegou a ser lamentada nas redes sociais de personalidades do surfe, como o campeão mundial Adriano de Souza, o Mineirinho, e também em publicações de sócios de Lucas no site Surfari, dedicado à divulgação do esporte no Brasil.

O corpo foi transferido para Porto Alegre no domingo, e o velório ocorreria ainda no início desta semana, depois que fosse concluído o processo de doação de órgãos. Procurada, a assessoria da Casa de Saúde São José, onde a família de Lucas recebeu o diagnóstico de morte cerebral, disse que vai apurar o caso.

A prancha de Lucas foi identificada no mar por Milla Ferreira, carioca campeã mundial de kitesurf em 2016. Milla estava na varanda de seu apartamento na última terça-feira, na altura do Posto 2 da praia da Barra, quando viu o objeto boiando a cerca de 250 metros da areia. Desconfiada da prancha abandonada, a kitesurfista passou a gritar da janela, tentando alertar os bombeiros do 2º Grupamento Marítimo (GMAR).

Confira a última atualização aqui.

Via OGLOBO / UOL

  • Nado

    A esperança não morre…