HARDCORE • 28 ANOS

Nesta edição especial de aniversário, trazemos várias reflexões em torno das transformações e dos rumos do surf

Neste especial de 28 anos, a HARDCORE de maio tem como foco refletir o estado das coisas no surf hoje, as necessidades de evolução e para onde aponta o futuro desta paixão que alcançou o mainstream, mas sem abrir mão do core.

Estes são os temas da reportagem principal, feita pelo diretor editorial Adriano Vasconcellos. Em “O surf hoje”, buscamos opiniões, correntes de pensamento, visões de 28 personagens que nos servem referência e norte.

Na capa, Thiago Camarão, destaque no QS neste início de temporada e com muita atitude no freesurf em Maresias, registrado pelo fotógrafo Rafaski.

As reflexões continuam na matéria “The Oldies”. Acompanhamos um encontro emblemático em Santa Catarina, entre ícones locais: David Husadel, Fábio Gouveia,  Ronaldo Rosa, Fernando Corrêa e Armando Junior.

Do Brasil passamos para um alerta mundial. Os recifes de coral, que dão tanta alegria aos surfistas e garantem o equilíbrio do planeta, têm sofrido e morrido com o impacto das mudanças climáticas. Em “Mar Branco”, a artista Beatriz Chachamovits faz o alerta e destrincha o problema.

Por falar em reefbreaks, nossos fotógrafos colaboradores Trevor Moran e Ryan Miller acompanharam com minúcia a perna australiana, e mostram as joias que quebraram durante os “Days Off”.

No 10 Perguntas, o personagem da edição é Gordon Merchant, o fundador da Billabong. Após duas décadas, o australiano retornou ao Brasil e conversou sobre negócios, princípios e o atual momento do surf, com o editor assistente Kevin Damasio.

Já o Journal conta com uma reportagem especial sobre os primeiros meses do Instituto Medina; uma resenha sobre o livro Como se tornar um campeão, que conta a trajetória de Adriano de Souza, da favela Santo Antônio até o título mundial; Pranchas Mágicas com Thiago CamarãoAlma HC com Cassio Sanchez.

E ainda tem Polaroids, Noreriding e outras viagens, com Chloé CalmonP.90 por Heverton Ribeiro; Lay Day com BrWax e mais.

Garanta a sua nas bancas ou assine aqui.

 

***

O surf hoje
por Adriano Vasconcellos

O surf em outro patamar, revolucionário, ditando regras de comportamento. No Brasil, surfistas viraram pop stars e Gabriel Medina um ícone marcante dessa década, tanto dentro como fora d’água. Grandes patrocinadores enxergaram o surf como padrão de saúde e qualidade de vida, busca maior dos dias atuais, e as grande mídias introduziram o esporte em suas coberturas; impressas, eletrônicas, digitais. A interação nunca foi tão grande. O surf virou desejo de consumo da nova geração e um escape da rotina maçante, e a veia esportiva faz parte agora do cotidiano. Enquanto isso, a crise econômica que assola o país de forma cruel abalou a indústria segmentada, que tem se reinventado para superar a massificação, em partes nociva, e os tempos difíceis para os negócios. Novos tempos, novas interpretações, novos hábitos de consumo. No aniversário de 28 anos de HARDCORE, fomos buscar as opiniões, correntes de pensamentos e visões de personagens distintos em suas importância e ações, para saber como está o surf hoje, com a busca eterna por um futuro melhor. […]

 

***

The Oldies
por Reinaldo Andraus, fotografia de André Berlinck

[…] Encontrem poesia e ação em seus clicks. O regresso de André se deu no final de 2016 e coincidiu com a época do retorno do Hang Loose Pro Contest à Floripa, mas o foco desta matéria é o encontro que teve com cinco grandes locais da área. André explica: “Estive com Fabio Gouveia, David Husadel, Fê Correa, Roni Ronaldo e Juninho Maciel. Todos estão no rip! Surfando e curtindo a vida. Uma boa sessão de fotos que fizemos foi na praia do Matadeiro, usando a casa do Fê como quartel general, foram momentos de descontração e histórias…” […]

***

Mar Branco
por Beatriz Chachamovits

[…] Atualmente, estima-se que 25% dos recifes já não têm mais condições de se recuperar. Metade deles está em risco de colapso total. Já que o recife também é responsável por proteger a costa, sem eles muitas ilhas irão desaparecer: não haverá nada para segurar o impacto na terra das ondas, das correntes e das tempestades. O Instituto Mundial de Recursos (WRI) revelou, em uma pesquisa feita em 2013, que até 2050 todos os recifes de corais do mundo estarão com seus dias contados. 

O desaparecimento deste ecossistema afetará diretamente a vida de 500 milhões de pessoas que dependem dos corais para sobreviver. Não só daqueles que vivem perto da costa, mas de todos os seres humanos, pois a extinção dos corais coloca em alto risco a situação da saúde do planeta e, por consequência, dos seres humanos. Além disso, põe em cheque a própria dinâmica socioeconômica, principalmente de atividades de pesca, costeiras e farmacêutica. Vale lembrar que a indústria da pesca oferece emprego para mais de 38 milhões de pessoas ao redor do mundo. […]

***

10 Perguntas: Gordon Merchant
por Kevin Damasio

[…] HC: Quais foram os maiores desafios pelos quais passaram na billabong?Gordon Merchant: Falta de dinheiro. Nenhuma grana. Na época, nossas três filhas eram pequenas. E nós botamos tudo que tínhamos no negócio. O futuro poderia ter seguido muitos caminhos diferentes. No fim das contas, crescíamos cem por cento a cada ano. Foi uma mudança enorme. E surgíamos no meio dessas empresas que estavam muito mais estabelecidas, especialmente do ponto de vista do marketing e coisas do tipo. Quando começamos, a maior parte das pessoas que desenvolvia boardshorts para surfistas não era surfista. Então eles, na verdade, não sabiam o que os surfistas de fato queriam. Então, apareceu a Billabong, a Quiksilver, a Rip Curl – nós éramos surfistas. E isso tornou bem mais fácil para nós na questão de promover as marcas, de saber o que os surfistas procuravam, que tipo de boardshort cairia melhor, com que materiais deveria ser feito, todas essas coisas. Por isso saíamos muito à frente de quem não tinha ideia alguma, de quem se limitava à confecção e não surfava. […]

***

Days off
fotografia de Trevor Moran e Ryan Miller

Queensland, West Australia e Victoria. Neste início de temporada, por onde a elite do surf parou, ótimas ondas apareceram. Alguns sucessivos lay days podem ter entediado os espectadores mais vidrados. Porém, nossos fotógrafos colaboradores Ryan Miller e Trevor Moran estavam a postos para provar que nos days off, ou até mesmo antes e depois das etapas, o litoral australiano continuou a pulsar em Gold Coast, Margaret River e Bells Beach.

***

Posts Relacionados