Comenta Cako ao Avesso: zebras do Fiji Pro

Na etapa dos cachorros grandes, Comenta Cako elege as possíveis zebras do Fiji Pro e sorteia handplane assinado pelos campeões Fanning, Parko e Mineiro. Confira

Comenta Cako e os possíveis azarões do Fiji Pro:
No próximo dia 4 de junho, começa o Outerknown Fiji Pro 2017, 5ª etapa do Circuito Mundial da WSL, realizada nas esquerdas perfeitas de Cloudbreak ou Restaurants. Dizem por aí que essa é a onda favorita de 10 entre 10 tops. No resultado final, sabe o que isso quer dizer?! Nada, porque o histórico lá é de pouquíssimas zebras e, normalmente, quem ganha e quem chega são os cachorros grandes, tuberiders, charges de verdade. Para se ter uma ideia, nas últimas 9 edições, apenas 4 caras subiram no topo do pódio. Traduzindo: Kelly Slater (4x), Gabriel Medina e Damien Hobgood (2x) e Owen Wright (com uma atuação que poderia ter valido em dobro ou triplo).

Mesmo assim, como diz o bordão da Liga, You Can’t Script This. Então, porque não um Comenta Cako ao Avesso bem ousado para essa etapa? Os Top-34 são todos muito bons e qualquer um deles pode aprontar. Bem, quase qualquer um, né, porque tem uma meia dúzia que entra e sai e você nem viu.

Enfim, vamos ao que interessa. Seguem algumas possíveis zebras para essa prova e uma breve explicação do porque os estou apontando como Dark Horses. Quem quiser arriscar no Fantasy, essa é a hora, porque se ficar na burocracia nessa prova, vai se dar mal. Ou então, vai se der bem junto com quase todo mundo.

1. O primeiro da minha lista é o Adriano de Souza e o motivo é simples. Mineiro nunca foi além das quartas de final em Fiji, mas é um cara extremamente consistente e consciente do que pode e do que não pode. Sabendo disso, ele foca em seus pontos fracos e já deve estar treinando em ondas parecidas com as de Cloudbreak e Restaurants há muito tempo. Além disso, vem de um título na etapa brasileira e está a fim de conseguir subir no ranking e buscando o bi mundial. O modo caveira está ligado! E quando isso acontece, é melhor não duvidar. Olho no Capitão!

2. Outro cara que ninguém falou ainda, mas que costuma ser muito perigoso em tubos para a esquerda (ou melhor, tubos em geral) é o francês Jeremy Flores. E dá até para dizer que ele é local por ali, já que nasceu na Polinésia Francesa. Jeremias gosta de ondas pesadas, já venceu em Teahupoo, em Pipeline e, em 2015, terminou em 3º em Fiji. Não seria grande surpresa se ele aprontasse por lá.

3. Não sou o maior fã desse cara e para mim ele sempre será um cavalo paraguaio. Mas acho que colocar o Matt Wilkinson nessa lista não seria nenhuma má aposta. Apesar de não ter pego nada demais e ter vencido suas baterias muito mais por incompetência dos seus adversários que por mérito próprio, o Siri Doido foi vice em Fiji no ano passado, perdendo apenas para o Gabriel Medina! É outro que, ao lado de seu técnico, o mago Gleen Hall, entendeu que no surfe competição, muitas vezes ganha quem joga melhor o jogo e não quem surfa mais. E assim, já é o 5º do mundo em 2017, com duas semifinais no bolso, sendo uma delas nas esquerdas de Saquarema. Ou seja, vem crescendo!

4. Aqui, vou com dois de uma vez só! E logo dois brasileiros: Wiggolly Dantas e Italo Ferreira. Ambos são goofies, com estilos totalmente diferentes, mas que pode encaixar perfeitamente em Fiji, dependendo das condições. O Guigui sempre foi apontado como um cara forte em tubos pesados para a esquerda, mas desde que entrou na elite, ainda não mostrou o porque. Talvez seja a hora dele. Já o Ítalo, volta de lesão, mas adora uma esquerdinha até 6 pés. Quem não lembra dos floaters dele em cima da bancada, se ralando todo e um abraçossss? Vale lembrar que, em 2015, ambos foram até as quartas.

5. Já que convidados e alternates sempre são apontados como zebras, até mesmo em Pipeline, onde os locais muitas vezes surfam mais que muito Top, não poderia deixar de colocar um desses na lista. Portanto, escolhi o Yago Dora, que além de ser brasileiro, literalmente conquistou essa vaga por merecimento, após dar um show na etapa do Rio. Como freesurfer, com certeza já foi pra Fiji e conhece bem essas ondas. Surfa sem pressão e estou achando que ele vai continuar, como dizem os gringos, “Building his Momentum” e deve matar mais uns cachorros grandes.

Bônus 1: Para a galera que me acompanha no Facebook, nessa etapa, além da premiação do Fantasy, com a deliciosa Cerveja Praya e os suculentos Bronwies do Luiz, farei um bolão.

O campeão vai levar pra casa uma pranchinha Handplane animal da Jacare Handplane, replica do Kelly Slater e autografada pelos campeões mundiais Joel Parkinson, Mick Fanning e Adriano de Souza. Clique aqui e participe!

Bônus 2: Sem mais delongas, espero que o evento de Fiji dê altas ondas e que algum brasileiro vença a prova. De preferência, o Mineiro! Estou torcendo muito pelo bicampeonato dele.

  • Andree Wassermann

    cade o Toledo? tomou um gancho mesmo?

Posts Relacionados