Por Redação HC

Pelo menos onze pessoas foram mortas em uma série de atentados a bombas na cidade de Surabaya, a segunda maior da Indonésia, na manhã deste domingo (13). Três igrejas católicas foram os alvos dos ataques coordenados que, além das vítimas fatais, deixaram ao menos mais 41 feridos.

Segundo o Guardian, as autoridades policias de Java oriental acreditam que os ataques suicidas foram organizados e executados por uma única família: pai, mãe e quatros filhos de nove a 18 anos de idade.

Ainda de acordo com o Guardian, o chefe de polícia da Indonésia, Tito Karniavan, acredita que a família tenha retornado recentemente da Síria, para onde centenas de famílias indonésias viajaram nos últimos anos, afim de juntarem-se ao grupo terrorista Estado Islâmico.

O grupo, por sua vez, reivindicou a autoria dos atentados, mas não forneceu provas concretas de seu envolvimento.

 

A WSL tem dois grandes eventos marcados na Indonésia nas próximas semanas. Entre 27 de maio e 9 de junho, o Corona Bali Pro, evento masculino e feminino do Championship Tour, acontece nas direitas de Keramas.

Exatas 48 hroas depois de seu encerramento, os atletas vão para o outro lado de Bali, nas esquerdas de Uluwatu, para a realização das baterias remanescentes do Margaret River Pro, canceladas devido à ameaça de ataques de tubarão.

As explosões deste domingo são o atentado terrorista mais mortífero ocorrido na Indonésia desde 2005, quando uma série de carros-bomba mataram 23 pessoas em Bali. Foi também em Bali o pior ataque terrorista da história do país, em 2002, quando ataques a bombas mataram 202 pessoas na ilha.